Livros | 10 historinhas fedorentas para ler no banheiro

11056653_900397226669701_753013623_n
A Alice ainda  não chegou na idade do desfralde, mas como passo o dia inteiro com ela é muito fácil perceber os sinais da chegada do número dois, lendo coisas na internet sobre fraldas de pano acabei encontrando muitos textos sobre Higiene Natural.
Antes de falar sobre a Higiene Natural quero dizer que cheguei a comprar as fraldas de pano modernas, porém nunca usei. Minha filha teve APLV  (alergia a proteína do Leite de Vaca), e apresentava evacuações frequentes e com sangue, até descobrir o que era e como tratava continuei com as fraldas descartáveis e depois esqueci essa ideia e resolvi ser mais sustentável em outras áreas da minha vida. Para minha alegria a alergia sumiu com um ano graças a amamentação, ainda bem que insisti muito nesse quesito, e ela continuou mamando até 1 ano e 11 meses, outro fator determinante para a cura foi a dieta supervisionada por uma nutricionista. Fiquei meio triste de não ter usado as fraldas de pano, mas por outro lado não posso negar a praticidade das fraldas descartáveis.
Higiene Natural ou como é chamada em inglês EC (Elimination Communication) na verdade não é nenhuma moda ou novidade, é uma prática milenar. A invenção das fraldas é uma coisa muito recente, e logicamente as famílias tinham de arrumar um jeito de lidar com as evacuações dos bebês. Povos com menos contato com a sociedade urbana ainda se utilizam dessa técnica que consiste em observar o bebê e ler os sinais que ele dá quando está com vontade de fazer o número 1 ou o número 2 e colocá-lo num local adequado para fazer o serviço. Uma vez eu li que uma esquimó ficou indignada quando perguntaram a ela se o bebê slingado coladinho e peladinho ao seu corpo não a sujava com fezes e urina, ela achou muito estranho que uma mãe não saiba ler os sinais do próprio filho.
Obviamente depois de anos de urbanização e de uma cultura que afasta cada vez mais mães e bebês é bem complicado estabelecer esse tipo de conexão com o próprio filho (a). Eu que tenho todo tempo do mundo não consigo e morro de inveja das esquimós.
Inuit-woman-and-baby
Vale ressaltar que essa prática não é um tipo de desfralde, apenas uma maneira de ensinar o bebê a entender os sinais do próprio corpo. Há crianças que nunca se utilizaram de fraldas. Vale assistir o vídeo abaixo para entender como funciona.
[youtube http://www.youtube.com/watch?v=ZIv27ZNOBoM]
Outra coisa curiosa é que apesar da modernização das sociedades, muitas famílias não usam fraldas descartáveis. É o caso das crianças chinesas, aliás elas usam um tipo de calça especial para facilitar esse momento.
1512-chinese-baby-crotchless-pants-kaidangku
É no mínimo curioso. E fiquei pensando…imaginem só se TODAS  as crianças do mundo usassem fraldas descartáveis! Certamente a humanidade estaria atolada em pilhas de fraldas, pensei: Puxa que pena que não consegui usar as fraldas de pano, e que também sou bundona e não tenho coragem de abolir totalmente as fraldas descartáveis, mas decidi que pelo menos ia tentar reduzir o número de fraldas por dia,  então comprei um penico e comecei  o processo quando a Alice tinha 1 ano e 8 meses, vale lembrar que minha intenção nunca foi um desfralde precoce e sim uma maneira de economizar algumas fraldinhas.
Depois de um tempo, surpreendentemente, o negócio começou a funcionar. Chegando a ficar mais de 15 dias avisando com antecedência,  por medo não tirei totalmente as fralda. Depois viajamos e por um tempo o negócio funcionou inclusive na viagem, mas com os estímulos todos da viagem a história se perdeu completamente, não fiquei triste, pois ainda está muito cedo para o desfralde.
Ainda não desisti da história e iniciei o processo novamente, uma coisa que não mudou foi a nossa rotina de leituras de banheiro. Inicialmente líamos todo tipo de história, mas no fim ela achou que algumas histórias combinavam mais com o local, realmente historinhas escatológicas combinam com banheiro.
Há muitos livrinhos legais com historinhas fedorentas. Esses são os livrinhos da nossa biblioteca de banheiro:
1- Cocô no trono – Benoit Charlat – Cia das Letrinhas001
Esse livro é muito fofo, é o tipo de livro que resiste a crianças pequenas, suas folhas são grandes reforçadas, possui um pop up e ainda faz som de descarga. O livro conta a história de vários animais grandes que já sabem usar a privada: o Lobo que faz um cocô malvado, o Elefante que faz um cocô gigante e também a história do pintinho que além de fazer cocô na privada sozinho ainda puxa a descarga. As ilustrações são muito bonitinhas e o som da descarga é bem divertido.
 2- O que tem dentro da sua fralda? – Guido Van Genechten – Brinque Booko que tem dentro
O livro conta a história de um Ratinho muito curioso, num belo dia ele resolve descobrir o que tem dentro da fralda de seus amigos. São cocôs de todos os tamanhos, cores e formatos. Se você tiver nojinho não leia o livro. A edição é bem interativa, dá para abaixar as fraldinhas e ver o serviço que os amigos de Ratinho fizeram, no final os amigos ficam curiosos para ver a fralda do roedor e para surpresa geral ela está totalmente limpa, para saber o motivo vocês terão que ler o livro.
3- Até as princesas soltam pum – Ilan Brenman – Brinque Bookprincesas
Como as princesas fazem Alice?
E ela responde: “Pruuuuuurrrrrr!!!”
A protagonista do livro chama-se Laura e um dia chega em casa com uma grande pergunta: Será que as princesas soltam pum? O pai com muita delicadeza e criatividade soluciona a questão da filha de uma maneira muito fofa. O que acho bacana desse livro é que desconstrói um pouco aquela imagem de princesas perfeitas, mostra que princesa é gente como a gente. É que mesmo soltando pum elas continuam sendo lindas princesas…
4-  Pai, todos os animais soltam pum? – Ilan Brenman – Brinque Bookanimais
Esse livro é a continuação do livro acima, nele aparece uma Laura mais velha e com perguntas mais elaboradas. O pai, dessa vez, fica com mais dificuldade em responder as perguntas e percebe o quanto sua filha é inteligente e sabichona. Ao final do livro tem-se uma explicação de uma bióloga explicando que sim, todos os animais soltam pum e uma teoria de vida em Marte.
5- Da pequena toupeira que queria saber quem fez cocô na cabeça dela – Werner Holzwsrth e Wolf Erlbruch – Cia das Letrinhastoupeira
Esse livro é bem engraçado e o preferido da Alice, totalmente interativo e proibido para pessoas com nojinho. Há cocôs de todos os tipos, tamanhos, cores, texturas e formatos e o que é melhor: puxando as abas você os vê saindo do bumbum dos bichos! Achei bem legal a vingança da toupeira! Não é politicamente correto se vingar, mas as vezes é divertido.
6- Hora do penico para meninas- SalamandraÍndic3e
Eu não ia comprar esse livro no Brasil, estava atrás da versão em alemão dele. Aqui esse mesmo livro não é separado por gênero. É amarelinho e universal. Não folheei a edição em alemão, mas entendi o porquê da edição brasileira ser separada dessa forma. É uma questão biológica. Meninas tem aparelho urinário diferente dos meninos. Até que o livro é bonitinho, a única coisa que me incomoda é essa coisa  clichê  de rosa para meninas e azul para meninos, e que meninas fazem cocô como princesas no trono e em penicos brilhantes. Como o resto dos brinquedos e livros aqui em casa não reforçam esse tipo de estereótipo e não fico muito aflita com isso.
7 – Adeus, fraldas, adeus! –   Sergi Cámara – Escala EditorialEDU-TRTR05b
Na verdade esse livro nem tem muita coisa legal, acho que ganhei em algum momento da minha vida como professora. O que a Alice gosta nele é que aparece uma família de cocozinhos que vivem no Esgoto. Os cocozinhos ficam ansiosos pois a sua Mãe Dona Cocô está demorando a chegar, na verdade ela só está atrasada pois o protagonista do livro não a liberou no penico! É meio bizarro mas gosto não se discute!
8 – Argh! – Jonathan Lambert – Brinque Bookarg
O livro narra a história de um gambá chamado Fedô que circula pela floresta atrás do culpado pelo odor desagradável que ele está sentindo. A história não é tão atrativa, mas os pop ups são muito legais.
9 – A grande Cocômpetição – Guido Van Genechten7f69bd_3f87d993b3d04567be11c007fa5f0905.jpg_srz_2325_1606_85_22_0.50_1.20_0.00_jpg_srz
O livro narra um competição realizada pelo Rei Kagon. A cocômpetição nada mais é que  um desfile de cocôs artísticos, novamente vemos cocôs de todos os tamanhos, formatos e texturas.
10 – Sujo, eu? – David Roberts – Cia Editora Nacionalpg1
Vou colocar aqui uma história que ainda não li para a Alice mas que lembrei ao escrever essa lista. É uma história com todo tipo de coisa nojenta, lamber cachorro e ficar com a língua cheia de pelos, comer doce que estava no chão e até mesmo catota de nariz! As ilustrações são muito legais e engraçadas!
Para fechar coloco aqui um vídeo sobre cocô que a Alice ama:

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=klwqO0BwQF4]

E vocês, também gostam de historinhas fedorentas?
Se você tiver alguma indicação escreva nos comentários.

Joyce Recco

Sou uma professora feliz da Rede Pública, mãe da Alice (3) e do Arthur (3 meses). Adoro fazer listas, organizar e criar coisas. Sou apaixonada por literatura infantil, culinária, DIY e fotografia. Curto ficção Científica, gosto que aprendi com a minha Pac Mãe. Adoro Star Wars, Star Trek e fico muito chateada com a competição que o pessoal faz entre as duas franquias, coração de mãe é grande e tem espaço para todo mundo!

Últimos posts por Joyce Recco (exibir todos)

Talvez você goste de: