Cinema | A Lenda de Tarzan

image2

Texto: Bianca Simas

Desde pequena, graças a influência do meu pai, um fã de quadrinhos, sempre preferi o Fantasma ao Tarzan, mas fui assistir a esse filme de coração aberto e com as excelentes referências de Samuel L. Jackson, Djimon Hounsou e Christoph Waltz.

Não pretendo escrever nenhum spoiler para alguém que tenha lido a sinopse ou visto os trailers, ok?! Vem comigo?

É um filme dirigido por David Yates, diretor de 4 filmes da franquia Harry Potter, e pretende contar a volta de Tarzan ao Congo, depois de casado com Jane e aparentemente bem adaptado à sociedade londrina.

Apesar de ser considerado uma continuação da história clássica do Tarzan, não precisa que se tenha um conhecimento prévio da sua origem uma vez que ela é contada ao longo do filme em forma de flashbacks.

Adultos talvez achem algumas soluções do roteiro forçadas, mas não acredito que isso incomode os pequenos nem por um segundo. O nível de suspense, aventura e diversão é alto, com Samuel L. Jackson interpretando um sidekick no ponto e Christoph Waltz, mais uma vez, um vilão impecável, mas não espere um plot complexo e surpreendente.

A fotografia é belíssima e o filme levanta questões excelentes para serem discutidas com crianças que já consigam problematizar temas como a escravidão e a exploração predatória de recursos naturais.

Percebi que quero levar meu filho de nove anos para assistir ao filme pela chance de mostrar-lhe a beleza das paisagens africanas, o respeito com os animais e com as diferentes culturas, e como isso pode acabar por motivações torpes como inveja, vingança ou ambição. Quero conversar com ele, inclusive, sobre essa máxima recorrente no Tarzan e que sempre me incomodou de que os povos africanos precisam de um britânico para salvar o dia. 

Classificação indicativa: Livre
Classificação Pac Mãe: Não arriscaria levar crianças menores de sete anos por terem momentos muito escuros e de extrema tensão, principalmente no 3D Imax onde o  nível de imersão é impressionante.

Kris

Publicitária, trabalho em ong, 33 com cara de menos. Mãe do Marco de 8 anos. Amo música, livros, show de rock e desenho animado. Desculpas aos novos games, mas ainda prefiro um Super Nintendo.

Talvez você goste de: