Cinema | Devo levar as crianças para assistir Esquadrão Suicida?

Um filme onde os vilões salvam o dia… ou perdem suas cabeças. Essa é a premissa do mais novo lançamento da Warner Bros. Pictures, Esquadrão Suicida,  que chega hoje, quinta-feira (04), aos cinemas. É uma produção da Atlas Entertainment, dirigida por David Ayer (Corações de Ferro).

BR-Pub Main One Sheet - SUISQ

Poster. Warner Bros. Pictures

Esquadrão Suicida é um filme que já nasceu polêmico. Seja quando saiu as primeiras imagens do figurino (problemático) da Arlequina, ou do visual gangster do Coringa e o comportamento questionável dentro e fora de cena do Jared Leto, ou cada vez que saía um trailer, surgiam várias (e justas) problematizações.

É um filme que passou por refilmagens por não ter agradado o público à primeira vista. Cada trailer que saía (e não foram poucos) trazia um pegada totalmente destoante dos demais. A sensação que ficava é que nem os produtores nem o diretor estavam seguros quanto ao tom a ser usado no filme. Confesso que não me agradou também. Quando saiu o trailer da Comic Con 2016, porém, ficou um gostinho de que esse ar caótico e desconexo era proposital e acendeu uma chaminha de que talvez saísse algo de bom dali.

Infelizmente essa bagunça pré-lançamento se reflete no resultado final que chega às telas do cinema.

SUICIDE SQUAD

Créditos: Warner Bros. Pictures

Mas você, leitor que clicou nesse link, está esperando para saber se deve ou não levar a criança sob sua responsabilidade ao cinema. A resposta é: depende. Sempre reforçamos no Pac Mãe que cada família conhece sua dinâmica, que os adultos sabem quais conteúdos querem apresentar para os pequenos, que é importante orientar os pequenos, caso o conteúdo exija (e quase sempre exige).

Esquadrão Suicida faz jus à sua classificação 12 anos. Tentando explicar sem dar spoiler, é um filme pesado, escuro quase o tempo todo e, como mostrado no trailer, mostra cenas de tortura e um pouco de humor pontual que não é direcionado ao público infantil. Provavelmente os mais novos não verão graça em muitas dessas cenas. Inclusive, na sessão de cinema que eu fui, ouvi um garotinho de aproximadamente 6 anos questionando algumas vezes se faltava muito para o filme acabar.

Também é um filme com um ritmo confuso e muitas vezes cansativo. O início, provavelmente onde colocaram a maioria das cenas refilmadas, tem uma pegada mais dinâmica, com uma trilha sonora animada e bastante humor. Mas, aos poucos, como se virasse outro filme (provavelmente a parte sem refilmagem), a trilha muda totalmente e o tom também, que vai ficando mais sério e lento.

SS Group-R

Créditos: Warner Bros. Pictures

Como Esquadrão acaba tendo a responsabilidade de introduzir todos os seus integrantes em um filme só, além de fazer conexão com o restante do universo da DC, acaba tendo muitos recortes e flashbacks para explicar melhor a motivação dos personagens. Mas esses recortes não parecem ter sido bem pensados, já que alguns personagens são apresentados mais de uma vez quase que seguidamente.

O filme dá destaque principalmente aos personagens Pistoleiro (Will Smith), Arlequina (Margot Robbie), Magia (Cara Delevigne) a Amanda Waller (Viola Davis). Os demais estão lá quase que somente para dar suporte aos citados, dando a sensação de que foram subaproveitados, apesar de apontarem certo potencial. Inclusive, uma das cenas mais bonitas do filme é de um desses personagens subaproveitados. No geral, enquanto alguns personagens ganham diversos flashbacks e muito tempo de tela, outros o espectador fica quase saber de onde veio e qual necessidade dele estar ali, sendo que todos fazem parte do mesmo time que dá nome ao filme.

SUICIDE SQUAD

Créditos: Warner Bros. Pictures

Mas nem tudo está perdido em Esquadrão Suicida. As musicas vão cativar o espectador, os personagens destaque tem inegável carisma e os vilões do Esquadrão podem funcionar bem em futuros filmes da DC/Warner. E é difícil não gostar da Amanda Waller, mesmo ela sendo desprezível.

SUICIDE SQUAD

Viola Davis e David Ayer. Créditos: Warner Bros. Pictures

Apesar de algumas motivações duvidosas, falta de profundidade de alguns personagens e edição um pouco confusa, a sensação no final é de que essa leva de filmes de origem picotados da DC finalmente podem estar chegando ao fim.

Trailer:

Esquadrão Suicida (DC/Warner, 2016)
Classificação Indicativa: 12 anos
Classificação Pac Mãe: 12 anos
Opinião Pac Mãe: Um filme com pouco apelo para os pequenos e com muitas cenas de violência, hipersexualização e tortura. Apesar dos momentos de humor, não é voltado para o público infantil. Os menores provavelmente vão ficar dispersos durante o filme, principalmente se forem crianças que desconhecem os personagens.

Daniela Bandeira

Daniela Bandeira

Mãe do Lucas (7), amante da cultura japonesa, literatura, cinema, animações, séries, games, música e tudo que envolve Disney. Formada em Língua e Literatura Japonesa, porém não atuante na área. Tem a fotografia, a culinária e a costura como hobbies e sonha dar a volta ao mundo.
Daniela Bandeira

Talvez você goste de:

  • Josue Gomes

    nossa 12 anos eu achava q filme seria pra 16 ou 18 anos ainda bem ja posso assistir