Crianças Cosplay | Manual de Relacionamento

Ainda falando sobre Comic Con Experience (é muito assunto gente, vai render vários posts rs). Durante os dias em que fomos ao evento, encontramos com vários “iguais” a nós, isso quer dizer que encontramos pessoas que dividem o mesmo gosto por nerdices e cultura pop com os filhos, assim como a gente, ficamos super emocionadas e dentro da nossa cabeça tocou “you are not alone” do Michael Jackson.

Essa situação nos deixou com muita vontade de fotografar tudo e todos pela frente, mesmo porque era uma criança cosplay mais linda que a outra, como já contamos aqui. Mas nós somos mães também, convivemos com crianças diariamente e sabemos que nem toda aproximação com elas é amigável, aliás, tem criança que nem curte tirar foto, então não custa nada respeitar os pequenos né?

Eu Kris, estava meio tímida para abordar as pessoas no começo, mas isso durou até ver uma moça amamentando lindamente uma bebéia vestida de Mulher Maravilha. A mãe achou o máximo a proposta do blog e me senti feliz em fazer parte dele <3

A Kathy, um pouco mais acostumada com eventos desse tipo, já sabia que essa abordagem às pessoas fantasiadas é bem comum e esperada. Pedir para fotografar um cosplay ou para tirar foto junto com ele, mesmo para cosplayers amadores, aliás, é um grande elogio à fantasia e à caracterização da pessoa, que investiu tempo e dinheiro no visual.

Mas há uma grande diferença entre um cosplay adulto e uma criança. Algumas crianças entendem a proposta, entram mesmo no personagem, se divertem, interagem, fazem pose e acham legal quando pessoas desconhecidas pedem para fotografá-los. Quando a criança tem pais que também se fantasiam, frequentam eventos desse tipo e já estão acostumados com esse universo, a coisa fica mais fácil ainda.

Já para os mais novatos em convenções nerd, a coisa é diferente. Alguns curtem a princípio a ideia de se fantasiar (afinal, é uma grande brincadeira também para eles), mas quando se dão conta do assédio ficam irritadas e se cansam rapidamente. Foi o que aconteceu com a Alice, filha da Bia, aqui do Pac Mãe. Ela estava lindamente vestida de… Alice! Antes de sair de casa a Bia – veterana em Comic Cons – explicou que as pessoas iriam pedir fotos o tempo todo, mas sinceramente eu acho que a pequena só entendeu o tamanho do problema quando se deparou com ele, risos.

O Samuel, filho da Kathy, não quis ir fantasiado. Usou uma camiseta do desenho preferido do momento (Apenas um Show), mas quando chegou ao evento e viu tantos adultos de fantasia, teve vontade também. No evento havia um estande que vendia fantasias infantis e ele logo se interessou por uma roupa completa de Harry Potter. Chegou a vestir e se paramentar, mas o calor era tanto (sensação de 32º no sábado) que antes mesmo da mãe pagar a roupa ele já tinha desistido de usá-la! 🙂

Os menorzinhos não sabem bem o que está acontecendo, querem brincar. A Kathy chegou a correr atrás de um pequeno Batman pelo evento só pra conseguir uma foto. Ele achava graça e corria mais ainda, hahaha… Virou brincadeira, e a foto refletiu o momento.

E tem também os bebezinhos, que participam da festa toda sem entender muito bem qual é a proposta. Nesse caso vale o total bom senso: fantasias confortáveis e respeito pelo tempo deles: a hora do soninho e da mamada, afinal, são sagrados! 🙂

Por fim, fizemos algumas pac diquinhas amigas na hora de abordar as crianças ou de fazer a produção:

– Peça permissão aos pais para a foto, mas peça também para as crianças. É legal também mostrar depois como ficou, elas ficam orgulhosas.

– Converse com a criança como se ela fosse o personagem – ela vai se sentir o máximo. A Kathy fez isso com o menino Woody e a Kris com Finn, eles amaram.

– Não cerque a criança e não a afaste dos responsáveis, ela vai ficar assustada.

– Não encoste na criança e nem queira pegar no colo, beijar, abraçar por mais linda e fofa que ela esteja.

Essa é a Alice da Bia e ela também é adepta do "fala comigo, mas não me rela" :)

Essa é a Alice da Bia e ela também é adepta do “fala comigo, mas não me rela” 🙂

– Mesmo que os pais tentem forçar, se vc perceber que a criança não está afim, não insista (acreditem, isso aconteceu com a Kathy e ela saiu de fininho rs).

Essas são as nossas recomendações para aproveitar de forma tranquila um evento #Épico.

E vocês? Também tem alguma recomendação a acrescentar aqui na lista? Manda pra gente 😉

Kris

Publicitária, trabalho em ong, 33 com cara de menos. Mãe do Marco de 8 anos. Amo música, livros, show de rock e desenho animado. Desculpas aos novos games, mas ainda prefiro um Super Nintendo.

Talvez você goste de: