Mc Donald’s | O que aconteceu, afinal, com a Princesa Peach?

No final de Setembro, a internet entrou em frenesi com um boato: os brindes do Mc Lanche Feliz seriam do Mario Kart. Inspirados pelo sucesso de vendas dos brindes do Mario em Novembro do ano passado e seguindo a tendência da matriz estadunidense, que lançou os brindes do Mario Kart em Julho do ano passado, o Mc Donald’s sabe que tem um público cativo quando lança brindes de games, como foi com Cut The Rope e Rabbids. Sem a confirmação da assessoria desse boato certeiro, aguardamos, quietinhas, a possível chegada dos brindes nas lojas e possivelmente, em nossas casas.

Uma foto publicada por Pac Mae (@pacmae) em

Explico: como deixamos bem claro na nossa Política de Patrocínio, quando o Mc Donald’s lança uma campanha de brindes exclusivos, nós – na verdade a Kathy – recebemos em casa, por isso eles aparecem no nosso Instagram. Foi assim com Hora de Aventura, Hotel Transilvania, Minions… Isso acontece com brindes exclusivos, atrelados a um lançamento de filme ou de uma campanha maior.

Mas qual a diferença entre brindes exclusivos e os brindes normais? Basicamente uma: a separação de gênero. Quando o Mc Donald’s fecha um acordo com um estúdio para promover um filme, os brindes são Minions e ponto. Não tem Minions para meninos e Minions para meninas (até porque eles não existem). Como Super Mario foi lançado como campanha exclusiva, presumimos que o mesmo fosse acontecer com Mario Kart. E esperamos…

Que decepção.

Mesmo sem a confirmação da assessoria, os brindes do Mario Kart chegaram às lojas brasileiras no início de outubro, com uma alteração crucial da campanha dos EUA:

Campanha americana...

Campanha americana…

...campanha brasileira. Quem está faltando?

…campanha brasileira. Quem está faltando?

Exatamente. A falta da Princesa Peach foi sentida e muito, muito verbalizada. Os fãs – mais precisamente as fãs, não deixaram barato, e o Mc Donald’s tentou argumentar:

mcdonaldsComo assim? O fundo do anúncio dos brinquedos do Mario Kart é azul e o da Barbie rosa. Sim, nós defendemos a libertação das crianças dos estereótipos de gênero, mas isso não aconteceu ainda, principalmente por parte da indústria de brinquedos feat. alimentícia. Aliás, o próprio Mc Donald’s, quando anunciou os brinquedos, foi bem específico quanto ao gênero de seu público alvo:

mcface

“Foi dada a largada para seu filho se divertir com os novos brinquedos do Mario Kart 8 que chegaram ao Mc Lanche Feliz! \o/”

Mas as desculpas esfarrapadas não pararam aí:

mcdonalds1

Vamos dar uma olhada nos personagens de Mario Kart 8?

mk8

mk81

Se é pra trazer novidades, que tal trazer a Daisy? Ou a Toadette? Ou a Rosalina? Os brinquedos são exatamente iguais aos da linha americana, não é que mudaram: simplesmente tiraram a Peach dos brinquedos vendidos no Brasil.

E sério? Variedade? Vamos dar outra olhada nos brindes da última campanha de Super Mario?

mario-mcdonalds

3 Mários, 2 Luigis em poses praticamente iguais mas agora é que querem falar de variedade? Que tal falar de diversidade? Enquanto vocês tiraram a personagem feminina mais icônica da linha de brinquedos “para menino”, olha o marketing que direcionam para as meninas:

mcbarbie

Hey, Mc Donalds! Sabe quem tem cabelo loiro e roupa cor-de-rosa também? Adivinha! A Peach! E embora ela não seja exatamente um modelo de representatividade e empoderamento, ela foi, por muito tempo, uma das únicas personagens femininas em jogos. Tirá-la da linha de brinquedos do Mario é praticamente colocar uma placa de Clube do Bolinha na sala de videogames.

(E nem vou começar a falar do loiros e lisos ou das pernas flexíveis ou da mansão cor-de-rosa).

Não existe justificativa plausível para a ausência da Peach a não ser garantir a segregação de gêneros entre as duas linhas de brindes. Uma personagem feminina nos brinquedos “de menino” seria conflitante para as vendas e provavelmente fez parte do acordo comercial entre a Mattel, Nintendo e Mc Donald’s. Seria mais honesto simplesmente admitir isso. Mas eles preferiram apagar os comentários negativos e continuar fingindo que está tudo bem.

mcface2

E no fim das contas, pra eles está, não é? Mesmo quem reclamou dos brindes correu para comprar os seus, fotografou, colocou na estante. Aqui não rolou. Essa história toda desceu que nem o refrigerante da franquia: aguada, sem gás e sem-graça.

Nanda Café

Nanda Café

Feminista que faz ballet e adora cor-de-rosa. Gosta de RPG, fantasia medieval, anime água-com-açúcar e é #teammarvel apesar de Sandman ser da Vertigo. Começou a estudar Quenya, mas como não dava pra fazer isso enquanto comia, desistiu de ser elfa e admitiu para si sua natureza hobitesca.
Nanda Café

Talvez você goste de:

  • André Rodrigues

    Não tinha atentado para a propaganda (até porque não tem Mc Donalds na minha cidade ¬¬”) mas concordo que foi um grave erro excluir a Peach, como dito no texto, ela é uma personagem icônica da série Mario Kart, tanto quanto Mario, Luigi e afins, por isso não vejo razão plausível para a deliberada exclusão dela. Em minha opinião, caso a empresa quisesse realmente trazer mais novidades, porque não lançar em duas séries os brindes? Por exemplo, lançaria a 1ª com os mais conhecidos, Peach, Mario, Bowser, Luigi entre outros, e uma 2ª com aqueles que podem não ser tão conhecidos do público, Como Rosalina, Toadete, Daisy, seria um modo mais acertado de se dar mais opções/novidades.

  • Dá vontade de pegar a Barbie deles e transformar em Peach só pela piraça. 😉